12 de junho de 2019

Audiência Pública para discutir situação da Adutora de Santa Maria e das casas da Alcanorte promovida pelo vereador Gia tem grande participação popular



O vereador Claudio Gia promoveu audiência pública nesta terça-feira(11)para discutir situação da adutora de Santa Maria e situação das casas da Alcanorte, para isso contou com a presença de Pe Murilo, Dep Francisco do PT, prefeito TLemos, Vice-prefeito Rodrigo Aladim, Joseane Bezerra, Sec adjunta da Sethas, Jairo Ferreira da Caern, Pe Antonio Miguel da CEHAB.

Adutora e situação da CAERN


O representante da Caern deixou claro sobre o investimento de R$ 70 milhões de reais para viabilizar projeto de  adutora de Santa Maria, destacando que já foi discutido sobre o assunto, que existe um projeto mas falta recursos que viabilizem investimentos desta magnitude. Ao ser questionado sobre os travamentos que ocorrem pela alcanorte - já que a caern compra agua pela adutora da salinor – Sr Jairo foi contundente “ pagamos R$ 120 mil reais  todos os meses a empresa salineira, descontados a energia da adutora de pendencias a alcanorte, passamos liquido a empresa a bagatela de R$ 70 mil reais/mês. Mas a empresa alega que está 10 meses sem receber. Como existe uma judicialização com a empresa o valor é depositado todo mês na justiça. Cabe a empresa salineira procurar meios de receber da justiça. A caern paga todos os meses. Os macauenses não podem ser penalizados por isso”.

Tema central

Mais os moradores da Alcanorte queriam ouvir uma solução sobre o seu dilema que perdura por mais de 30 anos, habitação. A reclamação existe pelos pagamentos que estão sendo feitos para uma empresa que não existe nem o CNPJ, já que a comunidade da Alcanorte não recebem benefícios do município, como; limpeza urbana, escola de qualidade, iluminação de boa qualidade, investimentos municipais não podem ser realizados por se tratar de um bairro tecnicamente privado.

Reclamação

“ Moro na Alcanorte a mais de 35 anos, todo dia é esse dilema que vamos ser colocados no olho da rua. Mas todo mês passa um cobrador para cobrar nossa taxa, mesmo sem oferecer nada em troca, mas se não pagarmos é aquele terrorismo de sermos colocados para fora de nossas residências, queremos uma solução para isso. Porque não é correto pagarmos um boleto se a gente nem sabe para onde vai. È correto pagar esse carnê deputado?”. Argumentou Sr Cicero, morador da Alcanorte a mais de 35 anos.

Posição do governo


Tanto a adjunta da Sethas, como o diretor do CEHAB sabem que  a luta é difícil e necessita de comprometimento. “ Mas a professora Fátima Bezerra tem pautado seu governo para ações de cunho social e essa luta de vocês moradores da Alcanorte nos levam para esse caminho. Estamos aqui tomando conhecimento das reclamações, da situação do ambiente, da luta constante que se é travada nesses 35 anos, pois aqui estive alguma vezes juntamente com Pe Murilo travando essa mesma luta. Não é fácil uma solução imediata, mas também não é impossível de vencer essa luta. Os passos necessários estão sendo dados em debates como estes, onde a população unida busca seus direitos e tenham certeza que esse grito será ouvido pela governadora Fatima Bezerra”, garantiu Joseane Bezerra, Adjunta da Sethas.

Posição do Prefeito TLemos

O prefeito TLemos chegou com um documento nas mãos, destacou os pontos pertinentes, ressaltou sua preocupação com o dilema vivido pelos moradores e argumentou “ já ouvimos aqui que existe um débito da empresa salineira com o governo do estádio no valor de R$ 20 milhões de reais, os dados que tenho em minhas mãos apresentam que o valor desse ambiente questionado pelos moradores está estipulado pela empresa em R$ 6 milhões de reais. Então se faz necessário procurar os caminhos para que o governo do estado subtraia da dívida da empresa com o valor destas residências e o governo ainda teria a receber da empresa salineira a bagatela de R$ 14 milhões de reais. Todos sairiam ganhando e se resolvia um dilema histórico do clamor social do nosso município.”

Posição do parlamentar

Francisco do PT garantiu que não conhece os termos jurídicos para resolução deste dilema, mas garantiu que vai levar a discussão para o habitat legislativo e vai buscar meios para que os reclamantes( moradores da Alcanorte) sejam recebidos pela governadora e juntos encontre uma solução para este conflito de interesses, onde o mais prejudicado é a família. “ As reclamações aqui apresentadas são temas fundamentas para o bem estar do ser humano; água e habitação. Me sinto a vontade para colocar em pauta nas minhas discussões essa grita social que aflige esses macauenses. Uma reivindicação que nos toca pelos depoimentos aqui assumidos pelos moradores”, garantiu o Dep Francisco do PT.

Proposta do vice-prefeito

Diante das reclamações em relação aos pagamentos das residências realizados pelos moradores, já que muitos não conseguem cumprir diante da insegurança social como morador sobre o patrimônio que utilizam, vice-prefeito Rodrigo Aladim solicitou a possibilidade de providências pelo prefeito TLemos,  através da secretaria de assistência social, dizendo " prefeito já que estas famílias estão desamparadas socialmente, pois não existe ação de gestão na comunidade que os mesmos residem porque a empresa responsável não realiza e o município não possui autoridade legal para fazer,   não seria a oportunidade do município realizar um cadastro entre os residentes da Alcanorte para tentar pagar  mensalmente o carnê destas famílias que não conseguem acompanhar pagamentos?".