30 de julho de 2020

Enquanto o site LAIS identifica Pendências com a menor taxa de transmissão da COVID-19 na região, pré-candidato sem partido procura fazer a politica do quanto pior melhor



Proteção, cuidado e respeito com a saúde de pendencias

Enquanto o município de Pendências vem demonstrando que a COVID19 - a pior doença que se enfrenta que alastra e mata por todo mundo - está controlada no território pendenciense, o candidato da oposição sem partido faz a política do quanto pior melhor ao identificar números sentimentais que a saúde do município não é das melhores.

O detalhe

Não sei do que reclamam a oposição sem partido se os entrevistados responderam sobre a saúde do município:

- 29,4% acham boa ;

- 7,8% acham ótima; 

- 35,8% acham regular;

- 10,1% acham ruim;

- 12,7 acham péssima.

Significa então que a oposição sem partido não pagou a disciplina de matemática, basta somar o item bom e ótimo que o percentual ultrapassará e muito o item ruim e péssimo. 

Sobretudo


Quando esta mesma oposição sem partido tenta contrariar o que mostra o conceituado site  LAIS que identifica Pendências como o único município– que possui uma Zona segura - na região do vale e salineira com índice de RT 0.89.

Enquanto municípios como Macau, Guamaré, Alto do Rodrigues e Assú que possuem recursos financeiros infinitamente maiores, estão com taxas de contaminação do virus da COVID-19 em seus territórios bem acima do município de Pendências.

Veja os números de hoje, Pendências com melhor índice mais uma vez:

Alto do Rodrigues com RT de 5,00;

Macau com RT de 1,06;

Assú com RT de 1,28;

Guamaré RT de 1.80

Portanto

Para encerrar o assunto, uso frase bem popular que diz; Politico que se apega a números fantasiosos para mostrar o quanto pior melhor apenas para seu interesse, sem enxergar a verdade dos fatos, não está preparado para ir a lugar algum.

Até porque

A história nunca beneficiou o político que usa como arma de campanha o slogan do quanto pior melhor, comportamento como estes o eleitor enxerga logo como desespero.



Um comentário: