26 de maio de 2020

Mesmo com sua população se virando do jeito que pode, Galinhos não apresentou nenhum caso da COVID-19 em sua área urbana diferentemente de outras cidades que compõe a Região Costa Branca



Enquanto algumas cidades que compõe a região da costa branca na região salineira vêm sofrendo com o aumento dos casos de COVID-19 em seus territórios, a península de Galinhos parece não sofrer com tal pandemia, tendo apenas um caso registrado no assentamento Pirangi(fora da cidade) de uma pessoa vinda de outros centros.

Então

Procurei saber porque Galinhos que é uma cidade turística ainda não apresentou nenhum caso da COVID-19 dentro da área urbana que compreende seu município.

Diferentemente de Galinhos o resultado das sete cidades mais próximas da região da costa branca nos assusta:

Macau possui 45 casos confirmados;

Guamaré possui 42 casos confirmados;

Pendências 27 casos confirmados;

Alto do Rodrigues possui 25 casos confirmados;

Porto do Mangue possui 9 casos confirmados;

Areia Branca 219 casos confirmados

Pois e

Procurei saber porque Galinhos não sofre como as outras cidades da mesma região e recebi como informação que o controle de entrada e saída do município é rígido, além da conscientização de cada morador que reside na península.

“ Em Galinhos o pessoal da saúde coloca gel e disponibiliza Máscaras a cada morador que estão trafegando nas ruas, a desinfecção em todos os prédios públicos é feito regularmente”, destaca Cleovaldo, nativo de Galinhos.

Entrada e saída

Mesmo existindo a entrada pelo Patragil, Caiçara do Norte e via barco por Guamaré, Galinhos toma os devidos cuidados. Pois quem chega pelo Patragil trazendo mercadoria por lá mesmo fica, não entra na cidade. E só entra na cidade por esses três caminhos quem é nativo saiu da cidade, todos seguem um protocolo com os devidos cuidados.

Fechado geral

Em Galinhos todas as pousadas e restaurantes estão fechadas, todos os pontos fornecem comidas e lanches, mas somente a delivery. De acordo com Cleovaldo Por sermos uma península turística aqui nada funciona, tudo fechado; não temos passeio de charretes, de bugre e nem de barco. Além das pousadas que não recebem ninguém”.

Preocupação

Como Galinhos uma e suas maiores rendas é o turismo, Cleovaldo se diz preocupado, já que “ As pessoas estão se virando do jeito que podem, muitos já passam necessidades.”


Nenhum comentário:

Postar um comentário