10 de fevereiro de 2020

Enquanto o MPRN volta seu olhar para algo bem menor, texto de médico mostra uma saúde à beira da morte em Macau



Macau atravessa sérios problemas de saúde pública tanto é que em ação civil pública movida pelo Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN), a Justiça potiguar determinou que a Prefeitura de Macau regularize os serviços da farmácia básica do Município, no prazo de 30 dias, com o fornecimento gratuito e contínuo pelo Sistema Único de Saúde (SUS) de todos os medicamentos e insumos necessários à população que sejam de responsabilidade da administração municipal(matéria acima). 

Mas o problema não é apenas esse que enxerga o MPRN

Além da determinação que tomou conta das mídias de Macau no dia de hoje(10), população salineira ficou assustada no final de semana quando o médico obstetra que prestou serviço na instituição Hospital Antônio Ferraz, Dr Maxson, apresentou em texto* tudo que acontece no principal centro de saúde do município, precisamente no HAF.

Depoimento este que levaria qualquer órgão de justiça social averiguar mais a fundo, no entanto não é isso que acontece em Macau. O que se ver são recomendações bem menores diante do caos.

Veja parte do depoimento do médico e preste atenção na parte grifada;







* Texto que tomou conta das redes sociais assinado supostamente pelo médico obstetra, Dr Maxson.

Nenhum comentário:

Postar um comentário