4 de outubro de 2019

Nada Menos que tudo: Livro do ex-procurador geral da república cita choro e pedido de clemência do ex-deputado Henrique Alves


 “  Ele (Henrique) me pediu uma audiência e eu concordei em recebê-lo. Chegou tenso, com o semblante carregado. Não me lembro das palavras exatas dele nos minutos seguintes. Sei que seguiu o padrão dos demais políticos que me visitavam com propósitos parecidos. Eles não dizem abertamente: ‘Por favor, não me investigue’ ou ‘Por favor, me exclua dessa investigação’. O texto é outro. Em geral, dizem que têm biografia limpa, um nome a zelar e, por isso, não suportariam encarar mulher, filhos e amigos se tivessem que passar pelo constrangimento de uma investigação. A regra também era dizer que as acusações eram vagas, infundadas, frutos de uma vingança ou de um descuido qualquer do delator. O ex-presidente da Câmara (Henrique) seguiu essa linha”. 
Situação que envolve Henrique Alves apresentada no livro do o ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot lançado recentemente pela editora Planeta do Brasil com o sugestivo título “Nada menos que tudo”.

O livro destaca algumas situações desde pedidos para ele próprio(HA) não ser investigado até uma solicitação para que não se investigasse o então presidente da Câmara, Eduardo Cunha, passando por outros pedidos emocionados de clemência que resultaram em cenas de choro e até o envio de uma garrafa de cachaça de presente.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

gatofelix


.