19 de setembro de 2019

Kelps revela que Febraban não quer vigilância integral nos bancos do RN

Crédito da Foto: João Gilberto


O deputado estadual Kelps Lima (SDD) relatou nesta quinta-feira (19), na sessão ordinária, a surpresa que teve na quarta-feira (18), ao ser procurado por um advogado da Febraban (Federação Brasileira de Bancos). Segundo o deputado, o representante dos bancos se mostrou preocupado com uma matéria que tramita na Casa, que obriga a rede bancária contratar vigilância armada durante 24 horas.

“Os bancos, ‘tadinhos’, desprovidos de dinheiro, não podem pagar um vigilante armado para proteger a população”, ironizou Kelps, afirmando que a Federação alega que a vigilância em tempo integral aumentará em muitos os custos da rede bancária. “A Febraban tem a cara de pau de vir à Assembleia Legislativa para pedir que não permita a vigilância 24 horas”, criticou o parlamentar.

O deputado Kelps disse, no seu pronunciamento, que convidou o representante da Febraban a ir com ele ao município de Afonso Bezerra, onde a agência bancária foi explodida e os aposentados tem que se deslocar a outras cidades para receber a aposentadoria. “Os bancos precisam de vergonha na cara”, disse Kelps, que foi aparteado pelo deputado Hermano Morais.

“O setor bancário é um setor que acumula riquezas e não respeita o consumidor”, disse Hermano, que por 35 anos foi bancário. Ele ressaltou que muitas cidades do interior do Rio Grande do Norte tiveram os serviços bancários interrompidos depois que as agências foram assaltadas, fechadas e nunca foram reabertas. “Os bancos cobram juros exorbitantes e obtém lucros exorbitantes”, concluiu Hermano.

O deputado Kelps Lima encerrou seu pronunciamento desta quinta-feira fazendo um alerta à Federação de Bancos. “Não venha à Assembleia Legislativa procurar deputados; vá às cidades do interior onde a população precisa de serviços”. Kelps considerou o sistema bancário “cruel” e “explorador”, e sugeriu a abertura de capital estrangeiro para o sistema bancário como está acontecendo com a aviação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário